Bem-vindos a Sociedades dos Poetas

Um blog para gente de bom gosto, onde o conhecimento é algo a ser buscado - enquanto estiver vivo!

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Dica para Plano de Aula: Recontagem de Conto

Segmento utilizado para essa recontagem: Fundamental I
Conto: Branca de Neve.


O Diário Secreto de Branca de Neve





C
erto dia, bem de manhã, estava brincando no jardim de casa, quando, de repente, vi uma pequena luz brilhante entre as rosas. Chamei minha prima Helena para ver comigo o que seria aquilo. Alice, minha outra prima, estava muito curiosa, porém preferiu correr de medo. Já Sophie, também prima, pulou por cima das flores.... Foi terrível! Mas, graças a Deus ela não se machucou.
Olhamos de mais perto, já que todas as rosas estavam despedaçadas, e o brilho estava ainda mais intenso.
Helena, falando bem baixinho, como de costume, disse para eu cavar com cuidado para ver o que tinha lá embaixo.
Foi o que fiz, e para surpresa nossa, encontramos uma caixa de madeira. Parecia muito antiga. Ficamos curiosas, mas com um pouco de medo também. Olhamos para os lados e notamos que nossos pais estavam ocupados a conversar. Assim, colocamos a caixa dentro de uma sacola que estava na mão de Sophie e, escondidas, resolvemos abrir e descobrir o que continha dentro dela.
Fomos, secretamente e silenciosamente ao meu quarto, onde abrimos a tal caixa secreta e, vocês nem imaginam o que encontramos. Pois bem, sentem-se, pois o que vou contar é muito emocionante.
Havia um diário, enrolado num pano brilhante, bem vermelho, com as siglas B.N. Meus olhos não acreditaram no que via. Um diário? Mas, como assim, um diário?
Resolvi abri-lo, mas o medo nos fez ficar mudas.... Como sou a mais velha, comecei a ler.... E, aos poucos me arrepiava. Sophie ficou de boca aberta, Helena tremia os lábios, Alice respirava fundo e, minha outra prima Eliza, que é muito pequena para entender as coisas, só ria. O diário começava assim:


M
eu nome é Isabella, mas eu não sei o porquê de me chamarem de Branca.... Deve ser porque eu sou realmente muito branca, tão branca como a neve.... Assim, o apelido, Branca de Neve. E, dessa forma, fiquei mais conhecida pelo apelido do que pelo meu verdadeiro nome; que, aliás, também era algo secreto, até agora.
Essa história é sobre minha vida, o qual reuni neste secreto diário.... Poderia ter escrito dia após dia, mas o tempo me foi um pouco curto.... Então, decidi começar a escrever hoje o que aconteceu a cerca de um ano atrás, mas, antes disso, deixa eu falar um pouco sobre como tudo começou. Descreverei detalhes que nunca, jamais, disse a ninguém.... Somente agora tive coragem de reunir essas verdades nesse diário.... Pensar nisso me faz suspirar...
 Pois bem, eu nasci tão branca, tão linda.... Bem, onde eu estava.... Ah, sim, claro, começo a me esquecer de quem era e do que vivi.... Pois bem, aquela pequena criaturinha, tão lindinha e indefesa.... Cresci, cada dia mais linda....
Quando eu tinha entre nove e dez anos minha mãe começou a adoecer; ou seja, cada dia mais fraca, cada dia mais doente.
Meu pai, muito aflito, chamou vários médicos do Reino do Faz de Conta – lugar onde moro... ou, morava – porém, todos diziam a mesma coisa: “Sinto muito, soberano, nada podemos fazer”.
Como assim? Não eram médicos? Não estudaram para isso, lá no Colégio Encantado?
Pois bem, minha mãe estava morrendo, mas, antes dela falecer me contou o que estava acontecendo de verdade. Isso ninguém nunca soube, até agora, pois ela mesma me prometeu não falar nada, nunca, principalmente para meu pai.
A verdade, era que ela estava sendo envenenada por uma das criadas, que era uma poderosa feiticeira e que queria tomar seu lugar no Reino, porém, ela descobriu seus maléficos planos e, por isso, começou a envenenar minha mãe aos poucos, com essa magia que os médicos mágicos jamais descobririam.
Eu ainda era muito pequena para entender, porém, minha mãe me alertou a nunca contrariar essa mulher, pois era muito poderosa e sua magia vinha de uma dimensão onde os poderes são mais fortes do que lá.
Falou que ela havia feito um trato que não tocaria em mim, mas, como resposta tinha que dar sua vida em troca da minha.
Enfim, minha mãe morreu para me proteger, mas, infelizmente, isso foi por pouco tempo. Assim que fiz quinze anos, não aguentando mais ser maltratada pela maldosa mulher, que agora era rainha, fugi.... E, assim, resolvi morar num quarto do Colégio Encantado.
Vocês devem estar perguntando onde está meu pai que não fez nada a respeito. Pois bem, ele estava tão apaixonado, tão cego de amor, que nem notou.... Achou que eu estava em viagem escolar, sei lá.
Foi a melhor coisa que fiz. Lá no Colégio conheci muita gente, princesas como eu, filhas de fadas, príncipes.... Estava indo tudo muito bem, estudando, fazendo novas amizades, até que a rainha má veio até o Colégio, contando que meu pai estava mal e queria me ver.... Mentira, era tudo para me fazer sofrer, uma vez que não podia me matar, por causa do pacto que havia feito com minha mãe.
Voltei para casa correndo, desesperada, mas era mais uma falsa história daquela bruxa malvada, que me prendeu na masmorra do palácio. Para minha sorte, encontrei em um dos bolsos de meu vestido um pequeno ratinho, o mesmo amiguinho de minha amiga Cinderela – eu prefiro chama-la de Cindy, que é seu apelido. E, também, no outro bolso, a poção mágica da Alice, o qual tinha o poder de tornar as pessoas pequenas. Assim eu fiz, tomei a poção, montei no ratinho Bruno e, rapidamente, fugimos pela janela.
Ao chegarmos no colégio, Alice me deu outra poção, agora o de crescimento, e voltei ao tamanho normal. Contei tudo o que a madrasta havia me feito e todos os meus amigos se espantaram. Decidimos, então, criar um plano contra ela. Foram messes de procura, até encontrarmos um livro muito antigo falando de um reino paralelo; ou seja, outra dimensão. Esse reino se chamava Camelot, e foi lá onde encontraríamos o mago dos magos, Merlin.
Para isso, contei com a ajude de meus amigos, Aurora, Cindy, Ariel, Filipe e Éric, que foram comigo até o portal secreto, conforme estava descrito no livro. E, assim, com as palavras mágicas abrimos este maravilhoso portal entre mundos.
Ao chegarmos no reino, o Mago Merlin já estava esperando por nós, pois sabia que estaríamos indo ao seu encontro. Contou-me que a magia daquela bruxa era muito poderosa e que nem ele podia quebra-la, só havia uma escolha para mim.
Ouvi tudo com lágrimas nos olhos, mas acatei seus conselhos. Agradeci a estadia no palácio do rei Arthur e logo voltamos para nosso reino.
Abatida, fiquei algum tempo calada e outros dias sem comer. Não poderia ter outro jeito? Outra saída? Perderia tanto com aquela decisão.... Será que valeria a pena?
Alice, que não pode ir conosco nessa viagem, estava muito curiosa para saber o que havia acontecido e o porquê de eu estar assim tão triste e deprimida. Não conseguia nem falar.... Foi que Aurora contou-lhe tudo. Alice, ao ouvir a única chance que eu tinha para me livrar da bruxa má, chorou e me abraçou.
Após três dias pensando a respeito, resolvi logo fazer conforme o mago havia dito. Uma das minhas maiores tristezas era não poder me despedir de meu pai.... Foi até que Alice teve a ideia de me encolher novamente, montar em Bruno e ir até o palácio e, depois, voltar. Foi o que fiz.
Encontrei meu pai sozinho, pois a bruxa malvada havia decidido fazer uma viagem longa. Abraçamo-nos e ficamos horas a conversar. Não disse nada a respeito de Merlin, nem das maldades da bruxa.... Resolvi me despedir como se fossemos nos ver em breve.
Voltei para o Colégio arrasada, despedi-me de meus amigos e fui até a outra passagem secreta, o qual me levaria a uma dimensão que se chamava Terra, um lugar onde não haveria magia e, ali estaria segura da madrasta.
Quando já estava pronta para partir, Filipe resolveu abandonar tudo e ir comigo, a fim de me defender. E assim foi.... Merlin havia dito que esqueceríamos tudo quanto havíamos vivido no Reino do Faz de Conta, assim que tomássemos aquela poção mágica que nos deu.
Por isso, estou a escrever minha história nesse diário mágico, dado a mim por minha amiga Ariel. Sei que após tomarmos essa poção esquecerei tudo, mas, aquele que achar esse diário saberá minha história, onde tive amigos fiéis, pais amorosos e, por algum tempo, fui feliz.
Peço, porém, a quem encontrar esse diário, que o guarde com amor, pois temo que venha cair em mãos erradas.
Saudade de vocês.... Aurora, Alice e Cindy... As guardarei em meu coração.


Fiquei chocada, assim como creio que vocês também estão. Meu achado foi muito precioso, porém, resolvi guardar esse segredo comigo. Avisei às minhas primas para não contarem para ninguém.
Porém, minha mãe acabou encontrando. Fiquei surpresa, pois ela não me perguntou a quem pertencia, muito menos se era de alguém. A única coisa que perguntou foi onde eu havia achado. Falei que no meio das roseiras. Ela ficou muda e pálida. Colocou a mão no coração e começou a tremer.
Perguntei o que havia acontecido para ela estar assim, tão nervosa. Ela se levantou, colocou o diário junto a seu corpo, e me pediu para não falar sobre aquilo com ninguém.
Por fim, levou consigo o diário, a caixa e tudo mais.... Fiquei sem entender o porquê daquela atitude e por que aquela caixa estava em meu quintal. Será? Será que minha mãe sabia, ou havia conhecido a dona daquela caixa?
Corri ao seu encontro apavorada, encontrei-a enterrando ainda mais fundo a caixa. Por fim, ela me olhou e disse:
– Julia, você já está com dez anos, por isso vou lhe contar uma história sobre essa caixa.... Mas, você tem que prometer que guardará segredo!
Fiz que sim com a cabeça. Minha mãe prosseguiu seu relato dizendo:
– Olha, filha, você leu a história, não foi? Então, creio que seja verdadeira, pois minha avó me contou que quando tinha dez anos foi visitada por uma fadinha, a qual contara sobre o diário e onde ele estava. Pediu para minha avó esconder bem fundo, para que a bruxa má jamais encontrasse, senão ela viria atrás de suas descendentes. Por isso temos que esconder, pois o brilho poderá atrair a malvada que quase matou minha bisavó Isabella.
Fiquei branca, mais branca do que a Branca de Neve....
– Mas, por que está em nosso quintal?

Minha mãe explicou que ela era a filha primogênita, assim como a mãe dela também fora, e isso a faria guardiã do diário. Entendi e prometi guardar este segredo de família.


Este trabalho fora realizado como exercício da Faculdade de Pedagogia - UNIP (Fabiane Mathias F. Senday)

Este é um exemplo de como se pode trabalhar, em sala de aula, o uso do conto de fadas como recurso de aprendizagem.

Sugestão de atividade: Após observar e refletir sobre a atividade acima e levando em consideração a riqueza que os contos trazem para as salas de aulas, escolha um dos seguintes contos escritos pelos Irmãos Grimm:  

Branca de Neve e os sete anões; 
Chapeuzinho Vermelho; 
João e Maria. Agora é vez do grupo. 

Leia o conto escolhido e reescreva-o de forma inédita; cite para qual segmento (Infantil ou Fundamental) seria utilizada essa recontagem; leve em consideração que os contos nos permitem – imaginar, criar e viajar por um mundo que nem sempre é o real; utilize todos esses recursos para a criação da versão de sua narrativa. 

Segundo Bettelheim (1992), ao fazer uso em sala de aula, “o conto de fadas é o caminho pelo qual uma criança pensa e experimenta o mundo e, por essa razão, os contos são convincentes para ela... Ela pode obter um consolo muito maior de um conto de fadas do que de um esforço para consolá-la em raciocínios e pontos de vista adultos”. A palavra conto deriva do termo latino computus, que ao traduzirmos significa “conta”. 
Esse ato de contar geralmente ocorre sobre assuntos do cotidiano que podem ser reais ou fictícios. Nos contos, os heróis ou heroínas precisam enfrentar os desafios e triunfar contra o mal. Podem tratar de diferentes assuntos, como: decepções, alegrias, paixões, etc. 
Existem variações entre os contos populares e literários: 

contos populares – são passados de forma oral de geração para geração e, assim, suas versões podem variar de um local para outro;  

contos literários – o que o difere do conto popular é que na maioria das vezes seus autores são conhecidos. 

Na atualidade, os contos estão sendo readaptados ou recontados de uma maneira que chame a atenção de seus leitores. 
Ao fazer uso dos contos, o professor contará com um precioso recurso literário, além das mais variadas atividades que podem ser desenvolvidas usando esse gênero textual. 


Fontes:

BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. 9ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

Sites: 

http://conceito.de/conto 
http://ead.unipinterativa.edu.br/webapps/portal/frameset.jsp 

Dica para Plano de Aula: Recontagem de Conto

Segmento utilizado para essa recontagem: Fundamental I
Conto: Branca de Neve.


O Diário Secreto de Branca de Neve





C
erto dia, bem de manhã, estava brincando no jardim de casa, quando, de repente, vi uma pequena luz brilhante entre as rosas. Chamei minha prima Helena para ver comigo o que seria aquilo. Alice, minha outra prima, estava muito curiosa, porém preferiu correr de medo. Já Sophie, também prima, pulou por cima das flores.... Foi terrível! Mas, graças a Deus ela não se machucou.
Olhamos de mais perto, já que todas as rosas estavam despedaçadas, e o brilho estava ainda mais intenso.
Helena, falando bem baixinho, como de costume, disse para eu cavar com cuidado para ver o que tinha lá embaixo.
Foi o que fiz, e para surpresa nossa, encontramos uma caixa de madeira. Parecia muito antiga. Ficamos curiosas, mas com um pouco de medo também. Olhamos para os lados e notamos que nossos pais estavam ocupados a conversar. Assim, colocamos a caixa dentro de uma sacola que estava na mão de Sophie e, escondidas, resolvemos abrir e descobrir o que continha dentro dela.
Fomos, secretamente e silenciosamente ao meu quarto, onde abrimos a tal caixa secreta e, vocês nem imaginam o que encontramos. Pois bem, sentem-se, pois o que vou contar é muito emocionante.
Havia um diário, enrolado num pano brilhante, bem vermelho, com as siglas B.N. Meus olhos não acreditaram no que via. Um diário? Mas, como assim, um diário?
Resolvi abri-lo, mas o medo nos fez ficar mudas.... Como sou a mais velha, comecei a ler.... E, aos poucos me arrepiava. Sophie ficou de boca aberta, Helena tremia os lábios, Alice respirava fundo e, minha outra prima Eliza, que é muito pequena para entender as coisas, só ria. O diário começava assim:


M
eu nome é Isabella, mas eu não sei o porquê de me chamarem de Branca.... Deve ser porque eu sou realmente muito branca, tão branca como a neve.... Assim, o apelido, Branca de Neve. E, dessa forma, fiquei mais conhecida pelo apelido do que pelo meu verdadeiro nome; que, aliás, também era algo secreto, até agora.
Essa história é sobre minha vida, o qual reuni neste secreto diário.... Poderia ter escrito dia após dia, mas o tempo me foi um pouco curto.... Então, decidi começar a escrever hoje o que aconteceu a cerca de um ano atrás, mas, antes disso, deixa eu falar um pouco sobre como tudo começou. Descreverei detalhes que nunca, jamais, disse a ninguém.... Somente agora tive coragem de reunir essas verdades nesse diário.... Pensar nisso me faz suspirar...
 Pois bem, eu nasci tão branca, tão linda.... Bem, onde eu estava.... Ah, sim, claro, começo a me esquecer de quem era e do que vivi.... Pois bem, aquela pequena criaturinha, tão lindinha e indefesa.... Cresci, cada dia mais linda....
Quando eu tinha entre nove e dez anos minha mãe começou a adoecer; ou seja, cada dia mais fraca, cada dia mais doente.
Meu pai, muito aflito, chamou vários médicos do Reino do Faz de Conta – lugar onde moro... ou, morava – porém, todos diziam a mesma coisa: “Sinto muito, soberano, nada podemos fazer”.
Como assim? Não eram médicos? Não estudaram para isso, lá no Colégio Encantado?
Pois bem, minha mãe estava morrendo, mas, antes dela falecer me contou o que estava acontecendo de verdade. Isso ninguém nunca soube, até agora, pois ela mesma me prometeu não falar nada, nunca, principalmente para meu pai.
A verdade, era que ela estava sendo envenenada por uma das criadas, que era uma poderosa feiticeira e que queria tomar seu lugar no Reino, porém, ela descobriu seus maléficos planos e, por isso, começou a envenenar minha mãe aos poucos, com essa magia que os médicos mágicos jamais descobririam.
Eu ainda era muito pequena para entender, porém, minha mãe me alertou a nunca contrariar essa mulher, pois era muito poderosa e sua magia vinha de uma dimensão onde os poderes são mais fortes do que lá.
Falou que ela havia feito um trato que não tocaria em mim, mas, como resposta tinha que dar sua vida em troca da minha.
Enfim, minha mãe morreu para me proteger, mas, infelizmente, isso foi por pouco tempo. Assim que fiz quinze anos, não aguentando mais ser maltratada pela maldosa mulher, que agora era rainha, fugi.... E, assim, resolvi morar num quarto do Colégio Encantado.
Vocês devem estar perguntando onde está meu pai que não fez nada a respeito. Pois bem, ele estava tão apaixonado, tão cego de amor, que nem notou.... Achou que eu estava em viagem escolar, sei lá.
Foi a melhor coisa que fiz. Lá no Colégio conheci muita gente, princesas como eu, filhas de fadas, príncipes.... Estava indo tudo muito bem, estudando, fazendo novas amizades, até que a rainha má veio até o Colégio, contando que meu pai estava mal e queria me ver.... Mentira, era tudo para me fazer sofrer, uma vez que não podia me matar, por causa do pacto que havia feito com minha mãe.
Voltei para casa correndo, desesperada, mas era mais uma falsa história daquela bruxa malvada, que me prendeu na masmorra do palácio. Para minha sorte, encontrei em um dos bolsos de meu vestido um pequeno ratinho, o mesmo amiguinho de minha amiga Cinderela – eu prefiro chama-la de Cindy, que é seu apelido. E, também, no outro bolso, a poção mágica da Alice, o qual tinha o poder de tornar as pessoas pequenas. Assim eu fiz, tomei a poção, montei no ratinho Bruno e, rapidamente, fugimos pela janela.
Ao chegarmos no colégio, Alice me deu outra poção, agora o de crescimento, e voltei ao tamanho normal. Contei tudo o que a madrasta havia me feito e todos os meus amigos se espantaram. Decidimos, então, criar um plano contra ela. Foram messes de procura, até encontrarmos um livro muito antigo falando de um reino paralelo; ou seja, outra dimensão. Esse reino se chamava Camelot, e foi lá onde encontraríamos o mago dos magos, Merlin.
Para isso, contei com a ajude de meus amigos, Aurora, Cindy, Ariel, Filipe e Éric, que foram comigo até o portal secreto, conforme estava descrito no livro. E, assim, com as palavras mágicas abrimos este maravilhoso portal entre mundos.
Ao chegarmos no reino, o Mago Merlin já estava esperando por nós, pois sabia que estaríamos indo ao seu encontro. Contou-me que a magia daquela bruxa era muito poderosa e que nem ele podia quebra-la, só havia uma escolha para mim.
Ouvi tudo com lágrimas nos olhos, mas acatei seus conselhos. Agradeci a estadia no palácio do rei Arthur e logo voltamos para nosso reino.
Abatida, fiquei algum tempo calada e outros dias sem comer. Não poderia ter outro jeito? Outra saída? Perderia tanto com aquela decisão.... Será que valeria a pena?
Alice, que não pode ir conosco nessa viagem, estava muito curiosa para saber o que havia acontecido e o porquê de eu estar assim tão triste e deprimida. Não conseguia nem falar.... Foi que Aurora contou-lhe tudo. Alice, ao ouvir a única chance que eu tinha para me livrar da bruxa má, chorou e me abraçou.
Após três dias pensando a respeito, resolvi logo fazer conforme o mago havia dito. Uma das minhas maiores tristezas era não poder me despedir de meu pai.... Foi até que Alice teve a ideia de me encolher novamente, montar em Bruno e ir até o palácio e, depois, voltar. Foi o que fiz.
Encontrei meu pai sozinho, pois a bruxa malvada havia decidido fazer uma viagem longa. Abraçamo-nos e ficamos horas a conversar. Não disse nada a respeito de Merlin, nem das maldades da bruxa.... Resolvi me despedir como se fossemos nos ver em breve.
Voltei para o Colégio arrasada, despedi-me de meus amigos e fui até a outra passagem secreta, o qual me levaria a uma dimensão que se chamava Terra, um lugar onde não haveria magia e, ali estaria segura da madrasta.
Quando já estava pronta para partir, Filipe resolveu abandonar tudo e ir comigo, a fim de me defender. E assim foi.... Merlin havia dito que esqueceríamos tudo quanto havíamos vivido no Reino do Faz de Conta, assim que tomássemos aquela poção mágica que nos deu.
Por isso, estou a escrever minha história nesse diário mágico, dado a mim por minha amiga Ariel. Sei que após tomarmos essa poção esquecerei tudo, mas, aquele que achar esse diário saberá minha história, onde tive amigos fiéis, pais amorosos e, por algum tempo, fui feliz.
Peço, porém, a quem encontrar esse diário, que o guarde com amor, pois temo que venha cair em mãos erradas.
Saudade de vocês.... Aurora, Alice e Cindy... As guardarei em meu coração.


Fiquei chocada, assim como creio que vocês também estão. Meu achado foi muito precioso, porém, resolvi guardar esse segredo comigo. Avisei às minhas primas para não contarem para ninguém.
Porém, minha mãe acabou encontrando. Fiquei surpresa, pois ela não me perguntou a quem pertencia, muito menos se era de alguém. A única coisa que perguntou foi onde eu havia achado. Falei que no meio das roseiras. Ela ficou muda e pálida. Colocou a mão no coração e começou a tremer.
Perguntei o que havia acontecido para ela estar assim, tão nervosa. Ela se levantou, colocou o diário junto a seu corpo, e me pediu para não falar sobre aquilo com ninguém.
Por fim, levou consigo o diário, a caixa e tudo mais.... Fiquei sem entender o porquê daquela atitude e por que aquela caixa estava em meu quintal. Será? Será que minha mãe sabia, ou havia conhecido a dona daquela caixa?
Corri ao seu encontro apavorada, encontrei-a enterrando ainda mais fundo a caixa. Por fim, ela me olhou e disse:
– Julia, você já está com dez anos, por isso vou lhe contar uma história sobre essa caixa.... Mas, você tem que prometer que guardará segredo!
Fiz que sim com a cabeça. Minha mãe prosseguiu seu relato dizendo:
– Olha, filha, você leu a história, não foi? Então, creio que seja verdadeira, pois minha avó me contou que quando tinha dez anos foi visitada por uma fadinha, a qual contara sobre o diário e onde ele estava. Pediu para minha avó esconder bem fundo, para que a bruxa má jamais encontrasse, senão ela viria atrás de suas descendentes. Por isso temos que esconder, pois o brilho poderá atrair a malvada que quase matou minha bisavó Isabella.
Fiquei branca, mais branca do que a Branca de Neve....
– Mas, por que está em nosso quintal?

Minha mãe explicou que ela era a filha primogênita, assim como a mãe dela também fora, e isso a faria guardiã do diário. Entendi e prometi guardar este segredo de família.


Este trabalho fora realizado como exercício da Faculdade de Pedagogia - UNIP (Fabiane Mathias F. Senday)

Este é um exemplo de como se pode trabalhar, em sala de aula, o uso do conto de fadas como recurso de aprendizagem.

Sugestão de atividade: Após observar e refletir sobre a atividade acima e levando em consideração a riqueza que os contos trazem para as salas de aulas, escolha um dos seguintes contos escritos pelos Irmãos Grimm:  

Branca de Neve e os sete anões; 
Chapeuzinho Vermelho; 
João e Maria. Agora é vez do grupo. 

Leia o conto escolhido e reescreva-o de forma inédita; cite para qual segmento (Infantil ou Fundamental) seria utilizada essa recontagem; leve em consideração que os contos nos permitem – imaginar, criar e viajar por um mundo que nem sempre é o real; utilize todos esses recursos para a criação da versão de sua narrativa. 

Segundo Bettelheim (1992), ao fazer uso em sala de aula, “o conto de fadas é o caminho pelo qual uma criança pensa e experimenta o mundo e, por essa razão, os contos são convincentes para ela... Ela pode obter um consolo muito maior de um conto de fadas do que de um esforço para consolá-la em raciocínios e pontos de vista adultos”. A palavra conto deriva do termo latino computus, que ao traduzirmos significa “conta”. 
Esse ato de contar geralmente ocorre sobre assuntos do cotidiano que podem ser reais ou fictícios. Nos contos, os heróis ou heroínas precisam enfrentar os desafios e triunfar contra o mal. Podem tratar de diferentes assuntos, como: decepções, alegrias, paixões, etc. 
Existem variações entre os contos populares e literários: 

contos populares – são passados de forma oral de geração para geração e, assim, suas versões podem variar de um local para outro;  

contos literários – o que o difere do conto popular é que na maioria das vezes seus autores são conhecidos. 

Na atualidade, os contos estão sendo readaptados ou recontados de uma maneira que chame a atenção de seus leitores. 
Ao fazer uso dos contos, o professor contará com um precioso recurso literário, além das mais variadas atividades que podem ser desenvolvidas usando esse gênero textual. 


Fontes:

BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. 9ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

Sites: 

http://conceito.de/conto 
http://ead.unipinterativa.edu.br/webapps/portal/frameset.jsp 

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Projeto: Eco Casa. A Casa do Futuro



1. Introdução

Os projetos auxiliarão a escola a desenvolver nos alunos: “[...] atitudes analíticas, reflexivas, críticas e atuantes diante das diversidades étnicas, sociais e culturais existentes na comunidade local em primeiro plano, mas abordando também a mesma problemática no âmbito do Brasil”. (NOGUEIRA, 2008, p.37)
Assim, entendemos que o projeto deve ser muito bem planejado. Desta forma, o professor, ao planejar deve:

ü  Implantar um processo de intervenção na realidade do aluno;
ü  Agir racionalmente;
ü  Ser contrário ao improviso; pois uma ação planejada é uma ação não improvisada;
ü  Pensar antes qual é o melhor caminho para chegar;
ü  Realizar um processo de tomada de decisões,
ü  Realizar um registro das decisões;
ü  Deve intervir na realidade.

E, enfim, entender que todo plano precisa estar aberto à emergência e ao imprevisível, pois não existe garantia para o planejamento total.
Enfim, falando sobre o projeto ao qual será trabalhado, percebemos que este é de suma importância para a sociedade em geral, não apenas para os alunos. A primazia de nosso projeto será apontar a importância de um mundo mais consciente quanto ao seu meio ambiente, apontando assim, características de suma importância na Construção Civil.
Além disso, conscientizar a todos sobre fatores de suma importância em nosso meio, tais como: economia de água, energia elétrica, entre outros.
Por conseguinte, nos será possível perceber que a organização das atividades neste presente projeto, permitirá que os alunos se relacionem com o objeto de ensino – a sustentabilidade – e, desta forma, avancem em seus conhecimentos, nesse caso, sobre: a natureza, ecossistema, sustentabilidade, equilíbrio entre o homem e meio ambiente, preservação da natureza, etc. Além disso, eles compartilham propósitos estabelecidos pelo professor. Isso deixa claro para eles os processos que têm de percorrer para realizar determinadas tarefas. Enfim, ao longo deste projeto, os alunos passarão por diversas etapas e, ao finalizá-las, poderão analisar o percurso e perceber tudo que foi aprendido – assim haverá uma assimilação produtiva entre teoria e prática, havendo uma melhor aprendizagem.




 2. Desenvolvimento do Projeto de Intervenção

2.1. Tema

O tema trabalhado será: Eco Casa, uma casa totalmente sustentável; conhecida, também, como a Casa do Futuro.
Para tal, os alunos construirão uma réplica de uma casa sustentável a partir de pesquisas, textos, dentro e fora de sala de aula.

2.2. Justificativa

Este projeto tem como finalidade fazer com que os alunos do 5º ano desenvolvam seu raciocínio a partir de situações cotidianas, envolvendo não só uma disciplina, mas trabalhando a interdisciplinar – Disciplinas a serem trabalhadas: Língua Portuguesa; Ciências, História, Geografia, Artes. (Favorecendo a interdisciplinaridade).
Assim, compreendemos que o trabalho interdisciplinar visa o entendimento global do mundo em que vivemos, aproximando o aluno cada vez mais da realidade em que vive.
Serão trabalhadas atividades que sugerem o desenvolvimento cognitivo para determinados conteúdos propostos, sempre visando o desenvolvimento da curiosidade e o gosto de aprender, através da pesquisa.
Além disso, tal projeto tem a função de abordar um dos temas de suma importância sobre a Sustentabilidade.
Nosso alvo será apontar a importância de um mundo mais consciente quanto ao seu meio ambiente, apontando assim, características de suma importância na Construção Civil.
Por conseguinte, baseando-se na necessidade de expor e valorizar os trabalhos desenvolvidos pelos alunos durante o terceiro bimestre - elaboramos no presente projeto um plano de atividades que visa à apresentação dos trabalhos de forma lúdica com atividades que despertem em nossos estudantes, e visitantes, o interesse pela leitura não só como a busca de informações, mas também como fonte de diversão e prazer, assim como o conhecimento de elementos sustentáveis na Construção Civil.



2.3. Situação Problema

Observando a realidade mundial, onde os recursos naturais cada vez mais estão escassos, veio-nos a ideia de trabalhar – por meio de intervenção pedagógica – com a elaboração de uma casa sustentável.
Com isso, trabalharemos temas que fazem parte do conteúdo programático de algumas matérias, sendo elas: Língua Portuguesa; Ciências, História, Geografia, Artes. (Favorecendo a interdisciplinaridade).
Por conseguinte, podermos solucionar as dificuldades referentes à temática: como viver sustentavelmente em harmonia com o meio ambiente.

2.4. Público Alvo

Os alunos do 5º ano do Ensino Fundamental I, assim como ao público em geral (comunidade: pais, etc.) que virá nos prestigiar com sua presença, juntamente à escola.


2.5. Objetivos

2.5.1. Gerais

Promover o conhecimento, unindo, contudo, a criatividade e a pesquisa ao aprender, além do trabalho em equipe. A fim de, desenvolver a capacidade de questionamento e de investigação, fazendo-os interessar-se pelas obras sustentáveis na construção civil e, também, saber relacionar-se entre, de forma a realizarem trabalhos em grupo.

2.5.2. Objetivos específicos

  1.     Envolver os alunos na apresentação de suas produções;
  2.     Promover a leitura para todos os segmentos da comunidade escolar;
  3.     O conviveu em sociedade;
  4.    O entendimento sobre a importância da reciclagem e do cuidado com a natureza, da qual dependemos para nossa sobrevivência;
  5.    Com a construção de uma casa sustentável, os alunos entenderão a importância do reaproveitamento e, deixaram de lado o consumismo desenfreado que cerca nossa sociedade atual;
  6.   Além disso, os alunos, ao realizarem um documentário, verão na prática o conteúdo aprendido teoricamente em sala, e em pesquisas por eles realizadas.


Assim, ao término do presente projeto, os alunos serão capazes de perceberem que, muitas das vezes, aquilo que achamos e pensamos ser “lixo”, não o é, e pode ser utilizado de diversas maneiras – assim haverá uma maior preservação da natureza. Por outro lado, entenderem a importância da sustentabilidade no mundo atual.  

2.6. Embasamento teórico

Como embasamento teórico, trabalhamos com o próprio material de Ciências do 5º ano, além de consulta a sites que visam a sustentabilidade.

2.7. Percurso metodológico

O que envolver como caminhos a serem trilhados para alcançar os objetivos pretendidos (atividades, estratégias, habilidades, trato interdisciplinar, envolvimento dos segmentos da escola, construção coletiva).

Desenvolvimento de uma casa inteiramente sustentável, onde a ideia gira em torno da Sustentabilidade.
Portanto, construiremos, na sala de aula, exemplos de casas sustentáveis. Estas possuem um princípio: economizar de uma maneira onde o planeta seja poupado, mas que nem por isso nossa vida seja sacrificada em pouco conforto e comodidade. Assim, em nível de informação, mostraremos que, até mesmo o governo, recentemente, abriu uma linha de crédito de reforma e construção que possibilita a realização de um empréstimo pensando em mudanças sustentáveis como, por exemplo, aquecedores solares.
Outro elemento que apontaremos é quanto ao uso consciente da água, principalmente como economizá-las na hora do banho. Esquema como o abaixo ilustrado, onde notaremos como é fácil e rápido reduzirmos o uso de um elemento primordial para nossa existência – a água.
Em suma, a sala de aula se tornará um cenário eco eficiente, onde casas terão recursos totalmente sustentáveis. Estes são: economia de água, energia elétrica, entre outros.

2.8. Recursos
                                          
Recursos Humanos:

   Professores e Alunos (5º Ano do Ensino Fundamental I).

Recursos Áudio Visuais:

  O uso de Televisão e DVD para apresentação de Documentários realizados pelos alunos.

Recursos Materiais:

Papel Crepon
EVA
Folhas de isopor
Tintas à base d’água
Colas: para isopor e quente
Isopor
Papel cartão, ou cartolina
Gliter e tinta guache
Argila
Materias recicláveis diversos


2.9. Cronograma de atividades

Primeiramente, o professor apresentará o tema aos alunos. Isso deverá ser feito de modo a causar curiosidade nos mesmos.
Assim, uma boa forma de contextualização do tema é chamar-lhes a atenção e fazê-los refletir sobre o tema apresentado: Eco Casa. Para isso, perguntas deverão ser lançadas para entendermos os conhecimentos prévios que os alunos possuem.
O professor deverá, como intermediário, fazer com que os alunos visualizem as semelhanças e diferenças que há entre uma casa comum e uma sustentável.
Só depois deles esgotarem todas as possibilidades possíveis, o professor deverá guiá-los à proposta real do tema, sendo este a chave da proposta do projeto: uma Eco Casa é uma casa mais sustentável e permite a preservação dos recursos naturais, e, além disso, a economia de água e luz.
Desta forma, eles não apenas terão explicações teóricas, mas verão realmente, na prática, como isso funcionada – o que para os alunos é bem mais empolgante.
Por fim, este presente projeto será realizado, a priori, com o levantamento de pesquisas sobre reciclagem, sustentabilidade, meio ambiente, etc.
Em suma, após tais levantamentos, começaremos a divisão dos grupos, para assim elaborarmos as atividades necessárias, que poderão ser realizadas dentro e fora de aula.

2.10. Avaliação

De acordo com o RCNEI (1998, p.157), “a avaliação é um importante instrumento para que o professor possa obter dados sobre o processo de aprendizagem de cada criança, reorientar sua prática e elaborar seu planejamento, propondo situações capazes de gerar novos avanços na aprendizagem das crianças”.
Assim, é fundamental que o professor a realize com atenção e a todo instante. Desde a apresentação do tema, as perguntas realizas e respostas dos alunos, até a finalização da explicação e realização do tema. Enfim, a avaliação será desde o início ao fim. Visando o trabalho coletivo e individual.
Para isso, será anotado como ponto, que ao fim será somado, elementos como: coleta de material, pesquisa, montagem e apresentação.
Por fim, o professor deverá perceber que, ao final da aula o aluno foi capaz de: entender e apontar as diferenças entre reciclagem e sustentabilidade; saber que tanto nós, como o meio ambiente – natureza, animais -, necessitam um dos outros, além de precisarem de um habitat natural; perceberem que nós podemos diminuir os impactos ambientais com atitudes sustentáveis – no caso deste trabalho, na construção de uma casa sustentável.

3. Considerações Finais

Como nos é sabido, o tema da sustentabilidade está cada vez mais popular, não só em nosso pais, mas também no mundo, além da economia dos recursos naturais, além da economia de água e luz. Tal tema tem tudo a ver com a escola e, assim, com a educação, e na situação problema apresentada, repercutiu especialmente nas ações que envolvem as famílias e consequentemente a sociedade pata a realização de tal tarefa.
Segundo Nogueira (2008, p.30), o projeto abriga sonhos, vontade de realizar algo, impulsiona ações para que se consiga algo muito desejado. Portanto, o projeto é antecedido de sonhos, vontades, desejos, ilusões, necessidades, etc., fatores que servirão de impulsionadores ao ato de projetar.
Por conseguinte, baseando-se na necessidade de expor e valorizar os trabalhos desenvolvidos pelos alunos durante este projeto, sejam eles de pesquisa, montagem e coleta de materiais. Com isso, o professor será capaz de:

ü  Envolver os alunos do 5º ano na apresentação de suas produções;
ü  Promover o conhecimento unindo a criatividade e a pesquisa ao aprender. A fim de desenvolver a capacidade de questionamento, de investigação e oralidade;
ü  Promover a leitura e o conhecimento a todos os segmentos da comunidade e alunos da escola.

Assim, os alunos entenderão que a natureza, o planeta, depende de nós, e, de igual forma, nós necessitamos de seus recursos. Isso é um ecossistema sustentável, onde homem e natureza coabitem em harmonia e ajuda mútua.



4. Referências e Fontes

Apostilas do curso de Pedagogia da UNIP.

Sites de Pesquisa: