Bem-vindos a Sociedades dos Poetas

Um blog para gente de bom gosto, onde o conhecimento é algo a ser buscado - enquanto estiver vivo!

domingo, 1 de julho de 2012

Dicas para Aula de Português





Agradecimentos ao professor Júlio César Michelato
site www.saberefazer.com


“O principal objetivo da educação é criar homens capazes de fazer coisas novas e não repetir simplesmente o que outras gerações já fizeram- homens que criem, sonhem, descubram”.

Paulo Freire



PRODUÇÃO DE TEXTO A PARTIR DE IMAGEM

Objetivo: Estimular a produção de texto por meio de imagens.


Procedimentos: Escolha uma imagem rica em detalhes, com personagens, ambiente, cores, etc. (Há boas imagens de Peter Bruegel disponíveis no site Google).
Explore a figura oralmente com observações que estimulem o aluno a pensar em uma situação para o desenho ou que o leve a perceber particularidades e consiga, a partir delas, formular um bom texto.
Solicite que cada aluno produza no caderno seu mapa de ideias a partir das observações feitas pelo professor, por ele e pelos colegas.
Para iniciar as discussões, ao mostrar uma imagem com pessoas, o professor pode formular perguntas tais como:
Os fatos apresentados na cena passam-se no passado, presente ou futuro?
O que se pode ver na imagem?
Há pessoas na cena? Quantas? Quem são elas?
Você as conhece? O que elas estão fazendo?
As pessoas estão felizes? Como estão vestidas?
Poderia ter mais personagens na cena? Quais?
O que aconteceu? Como aconteceu? Por que aconteceu? Onde aconteceu? Etc.



Variação: uma imagem de paisagem sem pessoas pode servir de inspiração para que o aluno imagine como seria morar naquele lugar, (uma praia, ilha, montanha, uma floresta, por exemplo, etc. ou uma aventura realizada naquela cena). Pode-se ainda dividir a turma em três grupos, de forma que um grupo escreva o que aconteceu antes da cena; outro grupo escreva o que está acontecendo durante a cena; e o terceiro grupo escreva o que aconteceu depois da cena apresentada.
Cada grupo deve usar os verbos em seu devido tempo: antes=passado; durante=presente; e depois=futuro.



Música para se trabalhar narração
“Jingle Bells” da narração
(Canta-se no ritmo da música natalina Jingle Bells).


Narração é ação

É contar história
Há lugar, há o tempo
E boa memória
Há a personagem
Que pede descrição
Há também surpresa
E muita emoção
Mas se ficar sem sal
Tempera com...
Mas vá ao dicionário
E troque o palavrão
Narração é ação
É contar história
Há lugar, há o tempo
E boa memória
Na introdução,
Não pode se afobar
Pura sedução,
Igual a namorar
Desenvolvimento,
Jogo de emoção
É atrevimento
Para a conclusão
Concluindo, vou unindo
Com a introdução
Coerência, coesão
É a redação.



“Jogo do Dicionário”

Material: um dicionário, folhas de papel lápis ou canetas

Objetivo: Ampliação do vocabulário.

Desenvolvimento: Divide-se a turma em grupos e a ordem de início do jogo. O grupo iniciante folheia o dicionário e escolhe uma palavra que julgar estranha aos outros grupos.
Cada grupo escreve, num pedaço de papel, uma descrição/definição para essa palavra.
Não precisa ser verdadeira, mas precisa parecer verdadeira!
O grupo que escolheu a palavra copia também a sua descrição numa folha de papel.
O professor recolhe, então, os papéis de todos os grupos e lê as descrições em voz alta, inclusive a verdadeira, mas sem dizer qual é qual.
Cada grupo votará na descrição/definição que acredita ser a verdadeira.
Quem acertar ou se aproximar mais da definição real, recebe dois pontos, mas o grupo que receber votos, mesmo não sendo a descrição verdadeira, ganha 1 ponto por cada voto recebido.
Em seguida, o segundo grupo repete o processo e assim sucessivamente.
O jogo termina quando alguém atingir o número de pontos determinado no início da partida, por acordo feito entre os jogadores.

Variação: o próprio professor pode selecionar antecipadamente as palavras. Dessa forma, cada grupo apenas escreve as descrições para cada palavra dita pelo professor. Em seguida, o professor recolhe as descrições e faz a leitura de todas, inclusive a correta. Os grupos votam na que julgar certa.

Como fazer resenha crítica ou literária

Resenha ou crítica literária é tanto uma descrição ou avaliação de um livro ou texto. Deve-se atentar sobre a finalidade do livro/texto, conteúdo e credibilidade.

Preliminares: Antes dos alunos iniciarem a leitura de um texto ou livro para fazer uma resenha, o professor deve orientá-los a considerar o seguinte:

1. Título – O que propõe?
2. Prefácio – Fornece informações importantes sobre a finalidade do autor em escrever o livro e lhe ajudará a determinar o sucesso do trabalho?
3. Índice - Diz a forma como o livro está organizado e os itens que ajudarão a determinar as principais ideias do autor e a forma como foram desenvolvidas? Observar a cronologia, tópicos e outros itens.

Durante a leitura do texto: Oriente os alunos a criarem um mapa de ideias anotando as impressões sobre o que estiverem lendo e destacando passagens que evidenciem isto. Para tal, durante a leitura, deve-se ter em mente as seguintes perguntas:

1. Qual é a área ou gênero, e como o livro se encaixa nestas áreas? (Utilizar fontes externas, para familiarizar-se com o campo, se necessário).
2. Qual o ponto de vista daquilo que está escrito?
3. Qual é o estilo do autor? É formal ou informal? Que público pretende atingir? Se for uma obra de ficção, o que faz o autor no sentido de usar técnicas literárias?
4. Os conceitos estão claramente definidos? O autor desenvolve bem as idéias? Que áreas são abrangidas ou não abrangidas? Por quê? Isso ajuda a estabelecer a credibilidade do livro.
5. Se for uma obra de ficção, deve-se anotar elementos como a personagem, enredo, e organização, e como estes se relacionam com o tema do livro. Como é que o autor delineia suas personagens? Como os desenvolve ou desenvolveu? Qual é a estrutura do enredo?
6. Quão exatas são as informações contidas no livro? Verificar fontes externas, se necessário.
7. Se necessário, anotar o formato do livro – diagramação, encadernação, tipografia. Verificar se há mapas ou ilustrações e se certificar de que eles ajudam a compreensão.
8. Verificar o assunto. O índice é necessário? O que fez o autor utilizar fontes – primárias ou secundárias? Como é que ele fez uso delas? Tomar nota de importantes omissões.
9. Por último: o livro é completo? Precisa ser melhor trabalhado? Comparar o livro a outros deste autor ou de outros autores.

Para desenvolver o trabalho, consultar fontes adicionais: Tentar encontrar mais informações sobre o autor – a sua reputação, qualificações, influências, etc. – qualquer informação que seja relevante para o livro a ser revisto e que ajudará a estabelecer a credibilidade do autor. É bom ter conhecimento do período e de importantes teorias literárias, isto também pode ser útil para a criação da resenha.

Preparar um esboço: Analisar cuidadosamente as notas feitas durante a leitura e tentar unificar as impressões em uma declaração que descreva a finalidade do trabalho. Em seguida, delinear os argumentos que sustentam a resenha. Os argumentos devem desenvolver a resenha de uma maneira lógica.

Escrever um rascunho: Depurar as anotações e, então, direcionando e fazendo referências às notas, quando necessário, começar a escrever.

A resenha deve incluir os seguintes elementos:

1. Informações preliminares – A citação bibliográfica completa do livro, ou seja, título, autor, local, editor, data da publicação, edição, número de páginas, características especiais (mapas, gravuras, etc.), preço e ISBN.


Exemplo:

Dona Carochinha
Contos e Histórias
Rio de Janeiro: Editora Que Imprime, 1998.
224pp. $37.50
9877987798779-0

2. Introdução – Tentar capturar a atenção do leitor com sua frase inicial. A introdução deverá indicar a ideia central, e definir o tom da resenha.

3. Desenvolvimento – Desenvolver argumentos que suportem a resenha, tal como estabelecido no esquema feito anteriormente. Usar descrições, avaliações e, se possível explicação do motivo pelo qual o (a) autor (a) escreveu o livro. Usar citações para ilustrar pontos importantes ou peculiaridades.
4. Conclusão – Se a resenha foi bem fundamentada, a conclusão deve seguir naturalmente. Ela pode incluir uma avaliação final ou simplesmente reafirmar a visão de quem criou a resenha. Não deve introduzir novos materiais neste ponto.



Revisão do rascunho: Sugira aos alunos a seguinte organização:



1. Tudo deve ser feito dentro dos prazos estabelecidos. Assim se ganha tempo.
2. Reler, com atenção, o seu texto à procura de clareza e coerência.
3. É fundamental ter gramática e escrita ortográfica corretas.
4. Verificar as citações.

Modalidades de Redação

(versão da música: Terezinha de Jesus)


Uma folha e meu lápis

Coerência e coesão
Tenho agora que escrever
É hora da redação.
Dissertar ou descrever
Tenho ainda a narração
Vamos ver qual é o tema
E escolher a opção.
Defendendo uma ideia
Com clareza e argumentação
Debatendo um assunto
Essa é a dissertação.
Com real ou imaginário,
Uma história vou contar
Onde e quando, o que, com quem
E assim eu vou narrar.
Descrever é muito simples
Com detalhes vou passar
Minha visão sobre um elemento
Vou agora lhe contar.
E agora, qual é o tema,
Estou pronto a escrever
Tenho folha e o papel
Sou capaz você vai ver.

Júri Simulado

Objetivos


1. Estudar e debater um tema, levando todos os participantes do grupo a se envolverem e tomar uma posição.
2. Exercitar a expressão e o raciocínio.
3. Desenvolver o senso crítico.



Procedimentos: O professor pode selecionar uma notícia de jornal, um texto ou livro, sugerir a turma que leiam e pesquisem mais sobre o assunto. Em seguida, organizar um júri simulado com os seguintes participantes:



Participantes (funções)
Juiz: Dirige e coordena o andamento do júri.
Advogado de acusação: Formula as acusações contra o réu ou ré.
Advogado de defesa: Defende o réu ou ré e responde às acusações formuladas pelo advogado de acusação.
Testemunhas: Falam a favor ou contra o réu ou ré, de acordo com o que tiver sido combinado, pondo em evidência as contradições e enfatizando os argumentos fundamentais.
Corpo de Jurados: Ouve todo o processo e a seguir vota: Culpado ou inocente, definindo a pena. A quantidade do corpo de jurados deve ser constituído por número impar: (3,5 ou 7)
Público: Dividido em dois grupos da defesa e da acusação, ajudam seus advogados a prepararem os argumentos para acusação ou defesa. Durante o júri, acompanham em silêncio.



Passos:



1. Coordenador apresenta o assunto e a questão a ser trabalhada.
2. Orientação aos participantes.
3. Preparação para o júri.
4. Juiz abre a sessão.
5. Advogado de acusação (promotor) acusa o réu ou ré (a questão em pauta).
6. Advogado de defesa defende o réu ou a ré.
7. Advogado de acusação toma a palavra e continua a acusação.
8. Intervenção de testemunhas, uma de acusação.
9. Advogado de defesa retoma a defesa.
10. Intervenção da testemunha de defesa.
11. Jurados decidem a sentença, junto com o juiz.
12. O público avalia o debate entre os advogados destacando o que foi bom o que faltou.
13. Leitura e justificativa da sentença pelo juiz.



Avaliação:



1. Que proveito tiramos da dinâmica?
2. Como nos sentimos?
3. O que mais nos agradou?
4. O que podemos melhorar?



Sugestão: Pode-se solicitar aos alunos que leiam o livro A Chave do Tamanho de Monteiro Lobato e organizar o julgamento da Emília que, desejando acabar com os problemas do mundo, desligou a chave do tamanho e criou outros problemas para a humanidade. Esta atividade pode ser realizada pelos alunos do 8º ou 9º ano.


Atividades com jornal


Textos de jornal: aprender a relacionar título, texto e imagem.

(Sugestão de atividade para séries iniciais do Ensino Fundamental)

Dados da Aula: O que o aluno poderá aprender com esta aula: Trabalhar a observação das relações existentes entre título, texto e imagem de textos jornalísticos.

Duração das atividades: Aproximadamente 3 aulas de 50 minutos.

Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno: É importante que os alunos já possuam desenvoltura de leitura e produção escrita. Devem ainda ter conhecimentos básicos sobre o suporte jornal e sobre a diversidade de textos que veiculam.

Estratégias e recursos da aula: O desenvolvimento desta aula se organiza em três etapas, que, a partir de práticas de leitura, visam conduzir os alunos a perceber a relação que se estabelece entre título, “corpo” do texto e imagem. O desenvolvimento desta experiência deve ocorrer a partir de textos jornalísticos voltados para o público infantil. Portanto, é preciso selecionar quatro ou cinco textos desde suporte, geralmente disponíveis como suplementos de grandes jornais.

Dica: Consta na SUGESTÃO COMPLEMENTAR a indicação de alguns jornais próprios para crianças.



1 – Título
Objetivo: perceber a relação de sentido entre o título da matéria jornalística com o “corpo” do texto, bem como a importância deste para atrair a atenção do leitor.

1 A – Selecione uma matéria/uma reportagem. A princípio leia apenas o título e pergunte ao grupo:
Sobre o que deve tratar este texto?
Qual a importância do título para a compreensão do texto?
A “estrutura” do título de uma reportagem é similar ou diferente do título de um livro? Por que há esta diferença?
Por que em um título de reportagem é importante que o leitor encontre mais informações sobre o texto?
Espera-se que percebam que, normalmente, o título jornalístico apresenta elementos sobre texto a ser lido. Além disso, esta primeira reflexão deve reforçar que o título “sempre” será primeira comunicação com leitor.
Em seguida, termine a leitura da reportagem e então reflitam sobre as relações que podem ser realizadas entre o título e o texto lido.
1B – Selecione título de vários materiais como livro, peça de teatro, gibi etc. Entre estes deve constar, no mínimo, dois títulos de matéria de jornal. Solicite que entre os títulos apresentados que a criança colora de azul apenas os que indicam ser jornalísticos.

2 Relação texto e título

Objetivo – aguçar o entendimento de que o título é uma espécie de síntese do texto, ou que destaca o aspecto de maior relevância do mesmo.
2 A – Selecione um texto e apresente uma cópia a cada criança, sem o título. Leia para turma e em seguida, solicite que façam uma nova leitura. Desta vez sublinhando o que consideram ser as principais informações do texto.
2 B –Distribua outra folha na qual devem constar vários títulos de reportagem. A criança deverá ler todos os título e identificar aquele que melhor expresse o conteúdo do texto. Deve então recortar e colar no local reservado a este item.
Como conclusão, deve registrar no caderno que critérios orientaram a escolha daquele título.

Dica: Professor, se desejar, desafie o grupo para que “brinquem” de jornalista. Assim, deverão reescrever a matéria, conforme a compreensão que tiveram. Deverão ainda criar um novo título para matéria trabalhada.
A criação de um novo título para o texto trabalhado contribui para o desenvolvimento da capacidade de realização de síntese.

3 – Imagem e sua relação com texto

Objetivo: promover o entendimento de que a imagem é essencial para o leitor de um texto jornalístico.
As crianças devem perceber que, em sua grande maioria, o texto jornalístico vem acompanhando de uma fotografia. A presença desta, de algum modo, ocupa o papel de “tradução” do texto. Isto é, em muitas ocasiões podemos ser atraídos a ler determinada matéria a partir do “impacto” causado pela presença de uma imagem.

3 A – Organize duplas e ofereça dois ou três cadernos infantis para observarem.

As crianças deverão identificar elementos que consideram ser comuns/presentes nos material observado.
Devem perceber como a imagem é presente e importante neste suporte. Logo que chegarem a esta conclusão oriente um reflexão sobre esta importância, bem como a necessidade de saber escolher para cada texto uma imagem se adéqüe perfeitamente a abordagem dada ao texto.
3 B – Neste item vamos reunir os elementos trabalhados na aula. Assim, ofereça à dupla copias de duas reportagens (sem o título e fotografia da respectiva). Separadamente ofereça fotografias, de modo que uma delas seja a “original” do texto e por fim dois ou três títulos com o original entre eles.
Nesta atividade, a criança deverá ler e compreender todo material: reunir e organizar o título, o texto e a imagem, “reconstituindo” assim a matéria. Após o desenvolvimento desta atividade é importante verificar quais foram as dificuldades e os critérios utilizados pelos aprendizes para reunir com sucesso todas as partes do texto.
Dica: Organize todas as matérias trabalhadas no item 3B em um mural, para apreciação da turma.

Recursos Complementares: Selecione os textos de trabalho em jornais voltados para o público infantil. Consulte exemplares como: Folhinha (Jornal Folha de São Paulo), Gurilândia (Jornal Estado de Minas), Tempinho (Jornal O Tempo).

Conheça outras aulas aqui no portal: Explorando a primeira página de um jornal – http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=21139 (Acesso em: 15 de novembro de 2010).
Jornal ambiental: meio ambiente e produção textual. – http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=20093 (Acesso em: 15 de novembro de 2010).

Avaliação: O aluno deve ter desenvolvido a capacidade de relacionar as partes componentes de um texto de jornal.
Para avaliar tal autonomia, repita a atividade 3B, a ser realizada individualmente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário