Bem-vindos a Sociedades dos Poetas

Um blog para gente de bom gosto, onde o conhecimento é algo a ser buscado - enquanto estiver vivo!

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Uso da Crase



A palavra crase é de origem grega e significa "fusão", "mistura". Na língua portuguesa, é o nome que se dá à "junção" de duas vogais idênticas. Na maioria das vezes, um a preposição com um a artigo. 
No português, marcamos a crase com o acento grave (`).

Para entender melhor:

Obedecemos ao regulamento.
( a + o )

Não há crase, pois o encontro ocorreu entre duas vogais diferentes.

Obedecemos à norma.
( a + a )

Há crase, pois temos a união de duas vogais iguais ( a + a = à )


A junção da preposição a com o pronome demonstrativo feminino a, as, ou com o a de aquele, aquela, aqueles, aquelas, aquilo, a qual  e as quais é marcada pela crase.

Observe:

Deu o livro àquele garoto.

Aquele garoto recebeu o livro.

Deu o livro a alguém.

Verbo transitivo direto e indireto pede a preposição a.

Analise, agora, os exemplos a seguir. 

Exemplo 1. 

Vou à igreja. 

Vou a algum lugar. 

Este lugar é a igreja. 

Neste exemplo, temos a ocorrência da preposição "a", exigida pelo verbo ir (ir a algum lugar) e a ocorrência do artigo "a" que está determinando o substantivo feminino igreja.

Exemplo 2

Conheço a aluna. (Conheço alguém). 

O verbo conhecer NÃO pede a preposição a

A aluna que conheço chegou. 

Não há crase porque no exemplo há apenas artigo, não há preposição.


Refiro-me à aluna. (Refiro-me a alguém). 

O verbo referir pede a preposição a. O substantivo feminino “aluna” pode ser antecedido do artigo a.

No primeiro exemplo, o verbo é transitivo direto (conhecer algo ou alguém), por isso não exige preposição e a crase não pode ocorrer. No segundo exemplo, o verbo é transitivo indireto (referir-se a algo ou a alguém) e exige a preposição "a". Portanto, a crase é possível, desde que o verbo admita a preposição “a” e o termo seguinte seja feminino e admita o artigo feminino "a" ou um dos pronomes já especificados.

Exemplo 3

Fui à Bahia.

Houve crase porque:

Bahia é um substantivo que admite ser antecedido pelo artigo “a”:

A Bahia é um estado maravilhoso.

O verbo “ir” exige a preposição “a”:

Fui a esse estado.


Exemplo 4 

Falou a verdade à colega. 

Falou a alguém 

Falou a verdade 

SEMPRE haverá crase.


1) Antes de palavras femininas que se ligam a verbos ou nomes regidos da preposição a

Vou à escola. 

Prefiro minha casa à (casa) de Rita.


2) Antes de palavra masculina que subentenda a presença de uma palavra feminina que se liguem a verbo ou nome regidos da preposição a

Irei amanhã à Rádio Interativa. (Irei amanhã à estação da Rádio Interativa).


3) Antes de numeral cardinal que indique horas (a palavra horas está implícita): 

Irei às sete horas amanhã. 

Estarei no evento às vinte e uma horas. 

Observação: - com a preposição "até", a crase será facultativa. 

Exemplo: 

Dormiram até as/às 14 horas.


4) Em locuções adverbiais, conjuntivas ou prepositivas formadas por palavras femininas: 

Adverbiais: às pressas, à tarde, à noite, à toa, às escondidas, à força, às cegas... 

Ex: Saiu às pressas. 

Conjuntivas: à proporção que, à medida que... (Exceção: a prestação.) 

Ex: Ele suava à proporção que corria. 

Prepositivas: à falta de, à espera de, à vista de, à beira de... 

Ex: Ele estava à beira de cometer uma loucura. 

Outros exemplos:

à chave
às ocultas
às pressas
à escuta
às claras
à imitação de
à vontade
à beça
à larga
às avessas
à revelia
à exceção de
à esquerda
às turras
às vezes
à direita
à procura
à deriva
à luz
à sombra de
à frente de
à semelhança de
às ordens
à beira de

5) Antes da palavra distância Se a palavra distância estiver especificada ou determinada (antecedida do artigo a), a crase deve ocorrer.

Sua casa fica à distância de 100 quilômetros daqui. (A palavra está determinada.) 

Todos devem ficar à distância de 50 metros do palco. (A palavra está especificada.) 

Se a palavra distância não estiver especificada, a crase não pode ocorrer. 

Os militares ficaram a distância. 

Ensinou a distância. 

Observação: por motivo de clareza, para evitar ambiguidade, pode-se usar a crase. 

Gostava de fotografar à distância. 

Ensinou à distância.

6) Antes de palavras femininas que permitam a troca do a por: para a(s), na(s), pela(s) e com a(s). 

Dei uma flor à menina. (Dei uma flor para a menina.) 


7) Diante da palavra "moda", com o sentido de "à moda de" (mesmo que a expressão moda de fique subentendida): 

O jogador fez um gol à (moda de) Pelé. 

Usava sapatos à (moda de) Luís XV.

Casos ESPECIAIS


1) Crase antes de casa.

A palavra casa, no sentido de lar, residência própria da pessoa, se não vier determinada por um adjunto adnominal não aceita o artigo, portanto não ocorre a crase.
Por outro lado, se vier determinada por um adjunto adnominal, aceita o artigo e ocorre a crase.

Ex: Volte a casa cedo. (preposição sem artigo)

Volte à casa dos seus pais.

(preposição + artigo)
(adjunto adnominal)


2) Crase antes da palavra terra.

A palavra terra, no sentido de chão firme, tomada em oposição a mar ou ar, se não vier determinada, não aceita o artigo e não ocorre a crase.

Ex: Já chegaram a terra. (preposição sem artigo)

Se, entretanto, vier determinada, aceita o artigo e ocorre a crase.

Ex: Já chegaram à terra dos antepassados. (preposição + artigo - adjunto adnominal)

3) Crase antes dos pronomes relativos.

3.1) Antes dos pronomes relativos quem e cujo não ocorre crase.

Ex:

Achei a pessoa a quem procuravas.

Compreendo a situação a cuja gravidade você se referiu.

3.2) Antes dos relativos qual ou quais ocorrerá crase se o masculino correspondente for ao qual, aos quais.

Ex:

Esta é a festa à qual me referi.

Este é o filme ao qual me referi.

Estas são as festas às quais me referi.

Estes são os filmes aos quais me referi.


4) Crase depois da preposição até.

Se a preposição até vier seguida de um nome feminino, poderá ou não ocorrer a crase. Isso porque essa preposição pode ser empregada sozinha (até) ou em locução com a preposição a (até a).

Ex:

Chegou até à muralha.
(locução prepositiva = até a)
(artigo = a)

5) Crase antes do que.

Em geral, não ocorre crase antes do que.

Ex:

Esta é a cena a que me referi.

Pode, entretanto, ocorrer antes do que uma crase da preposição a com o pronome demonstrativo que necessita de artigo feminino (equivalente a aquela).

7) Crase com o pronome demonstrativo "a

A ocorrência da crase com o pronome demonstrativo "a" pode ser detectada pela substituição do termo regente feminino por um termo regido masculino. 

Ex: 

Minha revolta é ligada à do meu país. 

Meu luto é ligado ao do meu país. 

As orações são semelhantes às de antes. 

Os exemplos são semelhantes aos de antes.


Crase FACULTATIVA 

1) Antes de nomes próprios femininos: 

Entregarei o livro a Carmem amanhã (ou à Carmem). 

Escrevi a Martha Medeiros, autora do meu livro preferido (ou à Martha Medeiros). 


2) Antes de pronome possessivo feminino singular: 

Diga a sua mãe que ligarei mais tarde (à sua mãe). 

Oferecemos gratidão a nossa professora (ou à nossa professora).


NÃO haverá crase: 

1) Antes de palavra masculina (substantivos masculinos): 

Pintura a óleo.

Entrega a domicílio.

O “a” nesses exemplos é preposição.


2) Antes de verbo: 

Estava a dançar na pista. 

Passara a dedicar-se mais aos estudos.  

O “a” nesses exemplos é preposição.


3) Antes do artigo indefinido uma: 

Já assistiu a uma peça teatral? 

Pergunte a uma professora.

O “a” nesses exemplos é preposição (não é possível a estrutura prep. + artigo def. + artigo indefinido).


4) Antes de palavra no plural: 

Não vou a cerimônias públicas. 

Não vou a lojas em minha cidade.  

O “a” nesses exemplos é preposição (não é possível a estrutura prep. + artigo def. + artigo indefinido).


5) Antes de pronome pessoal e de tratamento: 

Este livro é dedicado a você. 

Quero demonstrar meu respeito a Vossa Senhoria.


Observações:

i. Há três pronomes de tratamento que aceitam o artigo e, obviamente, a crase: senhora, senhorita e dona.

Dirijo-me à senhora.

ii. Haverá crase antes dos pronomes que aceitarem o artigo, tais como: mesma, própria...

Eu me referi à mesma pessoa.


6) Antes de numeral cardinal (exceto para horas): 

A cidade fica a duas léguas do centro.



7) Antes de pronome demonstrativo, indefinido, relativo ou interrogativo: 

Ofereci minha atenção a esta moça, mas ela não quis. 

Ela é a única a quem devo explicações. 

Não direi nada a ti.


8) Antes de nome de lugar que não necessite de artigo: 

Voltarei a Roma em dezembro.  

Roma é uma cidade Linda. 

Voltarei à Bahia em dezembro. 

 A Bahia é um estado lindo.


Observação

Alguns nomes de lugar não admitem a anteposição do artigo "a". Outros, entretanto, admitem o artigo, de modo que diante deles haverá crase, desde que o termo regente exija a preposição "a".
Para saber se um nome de lugar admite ou não a anteposição do artigo feminino "a", deve-se substituir o termo regente por um verbo que peça a preposição "de" ou "em". A ocorrência da contração "da" ou "na" prova que esse nome de lugar aceita o artigo e, por isso, haverá crase. 

Exemplo: 

Vou à França. (Vim da França. Estou na França.)


9) Entre palavras repetidas: 

Estive cara a cara com ele.


Como saber se devo empregar a crase?

Há duas maneiras de verificar a existência de um artigo feminino "a" (s) ou de um pronome demonstrativo "a" (s) após uma preposição "a": 

1. Colocar um termo masculino no lugar do termo feminino em relação ao qual se está em dúvida. Se surgir a forma ao, ocorrerá crase antes do termo feminino.

Exemplos:

Conheço "a" aluna. / Conheço o aluno. 

Refiro-me ao aluno. / Refiro-me à aluna.


2- Trocar o termo regente acompanhado da preposição a por outro acompanhado de uma preposição diferente (para, em, de, por, sob, sobre). Se essas preposições não se contraírem com o artigo, ou seja, se não surgirem novas formas (na (s), da (s), pela (s),...), não haverá crase.

Exemplos: 

Penso na aluna. 

Apaixonei-me pela aluna.



REFERÊNCIAS:

PATROCÍNIO, Mauro Ferreira do. Aprender e praticar gramática: volume único. São Paulo: FTD, 2011.

ABAURRE, Maria Luiza M. Gramática: texto - análise e construção de sentido: volume único. 2ª. ed. – São Paulo: Moderna, 2010.

http://brasilescola.uol.com.br/gramatica/crase.htm

http:// coladaweb.com/portugues/uso-da-crase-quando-ha-ou-nao-crase

http://.infoescola.com/portugues/crase/

https://leniomar.wordpress.com/dicas-de-gramatica/regras-da-utilizacao-da-crase/

http://portugues.uol.com.br/gramatica/o-uso-crase-.html

http://soportugues.com.br/secoes/sint/sint76.php

http://soumaisenem.com.br/redacao/lingua-e-linguagem/crase

http:// tudosobreconcursos.com/materiais/portugues/crase-regras














Nenhum comentário:

Postar um comentário